quinta-feira, 18 de novembro de 2010


Amizades Acabam
Vicência Cheib 
Quando um namoro, noivado ou casamento chega ao fim, as soluções não são simples, mas pelo menos já são conhecidas por todos: continua junto e recomeça junto, continua junto e recomeça separado, separa de vez, briga, chora, recomeça.Relações amorosas acabam por motivos infinitos: incompatibilidade, traição, falta de desejo ou de amor ou de ambos, desgaste, preguiça.Ainda não havia me dado conta que uma amizade pode ter o mesmo fim.Você vai se cansando das respostas atravessadas, dos cutucões nas feridas, das raivas latentes, da inveja, da competição, das intermináveis brigas seguidas dos eternos retornos.Assim como nos casamentos, a amizade nem sempre acaba para os dois. Muitas vezes aquele cuja tolerância é mais testada entrega os pontos primeiro.Amizades podem nos ensinar muito sobre casamentos.A receita é mais ou menos a mesma.Mais leveza, doçura, riso, parceria, elogio, carinho, torcida, apoio, amor.Menos crítica, vigília, competição, aspereza, opinião, conselho, cinismo.Há, entretanto, uma questão muito diferente entre amizade e casamento.Quando a amizade acaba o que é que se faz?Separar? Separar o quê?Continuar junto? Pra quê? O motivo acabou.Na amizade não há patrimônio, filhos, família, sogro, sogra, sobrinhos.Só há ela mesma. E se ela acabou é só ir embora certo? Errado!A sensação de uma amizade que chega ao fim é de inércia. Uma parte bacana de você morre e você fica estático, confuso, chateado.Na amizade aquele que quer terminar em geral é aquele que quer continuar.A amizade acaba para a parte que ama, não para a parte que não sabe amar. Esta parte nem percebe o fim, pois, nem sabe que começou. É tão estranho este fim que nem mesmo em uma crônica consigo terminar esta experiência desumana.

15 comentários:

Marina Magalhães disse...

E por mais triste que seja, términos de amizades continuam acontecendo, seja por divergência de opinião, por traição, por inveja, por ciúme...e esse término pode ser pior que divórcio!

Um beijo viquinha!

Lulu disse...

ai que pesado, rsrsrs!
mas é isso mesmo! é triste mais acaba... e dói... oohhh se dói!!!

conservar amizades é uma virtude mesmo! Que Deus conserve!!!

Alice disse...

Mas tem amizade que nem o tempo nem a distancia faz diminuir nem um picolesimo. Portanto, uma desse tipo da nossa, compensa todas as amizades descartaveis que teremos na vida!
Eu, meu marido e toda minha descendencia (representada pelo nobre senhor: "o filho") amamos voce seu marido e a suas redondezas (gato, cachorro, enteada/filha, sobrinha, Dodjao, etc)!

Maria Rita disse...

To complicated!

Graciane disse...

Olá Vicência! Coloque pra gente no seu blog os 15 passos para um emagrecimento saudável. Obrigada, abçs. Grace.

Milla Pereira disse...

Vic, meu amor. Que texto sensacional, deixaste aqui. É para ler, reler e refletir muito... É assim, quando uma relação (seja ela de amor ou amizade) termina, uma parte sempre se machuca mais do que a outra. Via de regra, a que tem mais sensibilidade. Parabéns pelo texto. Estou com um novo Blog, os outros foram invadidos e o Google vetou meu acesso lá. FELIZ ANO NOVO, muitas alegrias, saúde, paz e bem. Beijinhos da titia Milla

Iêda Ferreira disse...

Vim parar aqui pelo link no blog Prima Letra. Ou seja, mero acaso. Mas não podia deixar de registrar que fiquei muito surpresa com esta postagem. Vivo um momento em que a separação está pedindo para se concretizar e eu vou adiando. Enquanto relevo o que temos de história,levo cutucadas e ou amargo silêncios provocativo... Perguntava-me: Mas o que é isso?
E o texto me deu um certo alento.
Bj

Renata Diniz disse...

Vicência Cadê voce? Quero mais posts!
Beijo!!

Anne disse...

Adorei Vicky!
Infelizmente as amizades acabam, talvez elas apenas cumprem o seu papel. Algumas tem o papel mais longo e outras são infinitas.
Mas acredito que tudo depende de cuidado e carinho, quando perdemos o cuidado com o outro, é realmente o fim!
Sem meus amigos não sou nada, não sou ninguém.. amo-os loucamente,um amor louco porém sadio...rs Afinal temos que gostar de quem gosta da gente ; ) !!!!

Milla Pereira disse...

Minha linda! Estou retornando ao meu Blog (agora pra valer) e vim matar saudades. Bjks da tia

Milla Pereira disse...

Ô, dó! Num tem nuvidade não? Tá ocupadinha, é? Saudades... Estou passando para deixar a minha marca e convidá-la a conhecer meu novo espaço. Já te linkei em meus blogs Top 10 e sou fiel seguidora! Bjks, Tia Milla

Milla Pereira disse...

Menina, por onde andas que nao tem mais tempo para o Blog? Vem já escrever pra gente, na tia quer ver seu talento. Bjins...

Milla Pereira disse...

Viiiiiiiiiccccccc!Cadê vc, menina de Deus! Esqueceu de seu Blog, é? A tia retomou o dela, passe lá e deixe seu carinho, pra eu ver que não fui esquecida. Rsrsrs...
Bom fds. beijinhos. Tia Milla

Anônimo disse...

OFERTÓRIO

Eu queria oferecer muito mais
aos amigos do peito,
inclusive repartir os meus defeitos.
...
Todas as virtudes tem um quê
de promocionais.
Amigos não precisam delas,
só precisam que sejamos anormais.

Não existem mais anseios além da amizade.
Os receios que tinha viraram verdade.
Eu esquento a cabeça com a velha oração,
que aumenta a ferida no meu coração.

Eu queria oferecer muito mais
aos amigos do peito,
dizer que a morte tem jeito,
mas o fim de uma amizade não.

Felipe Cerquize

Anônimo disse...

OFERTÓRIO

Eu queria oferecer muito mais
aos amigos do peito,
inclusive repartir os meus defeitos.
...
Todas as virtudes tem um quê
de promocionais.
Amigos não precisam delas,
só precisam que sejamos anormais.

Não existem mais anseios além da amizade.
Os receios que tinha viraram verdade.
Eu esquento a cabeça com a velha oração,
que aumenta a ferida no meu coração.

Eu queria oferecer muito mais
aos amigos do peito,
dizer que a morte tem jeito,
mas o fim de uma amizade não.

Felipe Cerquize