terça-feira, 22 de novembro de 2011

Quinto Passo:
Ouça o seu corpo, você está com fome ou com vontade de comer.
Esta recomendação pode parecer estranha pois, a princípio, só deveríamos comer quando estamos com fome. Acontece que atualmente o que se observa é que comemos sim porque estamos com fome, mas, comemos também porque estamos ansiosos, tristes, alegres, preocupados e também porque a comida está saborosa, porque estamos sozinhos e por outra infinidade de motivos.
Como fazer para saber se você está com fome ou com vontade de comer:
 A fome normalmente causa um desconforto físico. Você pode sentir desde uma sensação de vazio no estômago, até irritabilidade, dor de cabeça, enjoo;
 O desejo não causa desconforto. Você pode sentir no máximo, uma salivação excessiva;
 A fome normalmente aparece cerca de 2 a 3 horas após você ter feito a última refeição;
 O desejo normalmente aparece quando estamos diante de um alimento que gostamos muito;
 Quando é fome, você aceita qualquer alimento;
 Quando é desejo você quer apenas um alimento específico;
 Para fazer um teste, beba um copo de água e se distraia com outra atividade. Se a sensação passar, ela era só desejo, se a sensação permanecer, provavelmente é fome;
 Se você ainda tiver dúvida, coma 1 fruta (e não o alimento - pão, biscoito, bolo, chocolate - que você estava querendo).
Observe que, em quase todos os itens acima, eu utilizei a palavra “normalmente”. Isto foi dito desta forma porque apesar de a maioria das pessoas se comportar assim, algumas pessoas podem se comportar de maneira diferente.
É importante que você observe como é o funcionamento do seu corpo. O que você sente quando tem fome. Desta maneira você saberá administrar melhor o seu consumo de alimentos.
Quarto Passo:
Diminua o tamanho dos seus utensílios.
Quanto maior o tamanho dos pratos, colheres e copos que você utiliza maior o tamanho da porção que comerá. Isto acontece porque nós comemos primeiro com os olhos e temos uma tendência a achar que só ficaremos satisfeitos se comermos 1 prato cheio, um copo cheio, 1 colher cheia. Desta forma, se você diminuir o tamanho dos seus utensílios, acabará comendo menos. Para ajudar este passo a funcionar, você não pode repetir a porção.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Terceiro Passo:
Faça uma análise do registro da sua alimentação.
Para analisar seu registro utilize os seguintes pontos:
 O intervalo entre as suas refeições foi de aproximadamente 3 horas;
 Você comeu pelo menos 2 frutas por dia;
 Você comeu verduras e legumes pelo menos 2 vezes por dia;
 Você se alimentou todos os dias mais ou menos nos mesmos horários
 Todas as vezes que comeu você estava com fome;
 Você se sentiu satisfeito depois que comeu ou se sentiu cheio e estufado; Você estava calmo e tranquilo quando se alimentou;
 Você comeu rápido (5 a 10 minutos) ou devagar (mais de 15 minutos);
 Seu intestino funcionou todos os dias;
A partir desta análise, faça uma lista dos hábitos que precisa mudar. Todos os dias leia sua lista e procure mudar o que está inadequado.
 Segundo Passo:
Faça um registro da sua alimentação por 3 dias.
Neste registro você deve anotar as seguintes informações:
 Anotar todos os alimentos e bebidas que consumir;
 Anotar a quantidade de alimentos que consumiu em cada horário (tamanho da colher, número de colheres, tamanho do copo, número de copos, tamanho do prato, etc.);
 Anotar o horário em que comeu e o local em que estava;
 Anotar o consumo de água, suco, refrigerante e bebidas alcoólicas;
 Anotar a sensação de fome e satisfação antes e depois de comer (exemplo: antes de comer estava com fome, depois de comer estava muito satisfeito);
 Anotar o seu estado emocional antes e depois de comer (alegria, tristeza, ansiedade, calma, pressa, irritação, etc.);
 Anotar o tempo que você gastou para fazer cada refeição;
 Anotar o funcionamento do seu intestino.
Primeiro Passo
Porque você quer emagrecer? Quais são os motivos que levaram você a começar estes passos?

Cada pessoa começa o processo de querer emagrecer por um motivo diferente: o diagnóstico de uma doença, o desejo de vestir uma roupa, o casamento, um novo amor, a insatisfação com o corpo. Todos estes são motivos muito fortes que podem levar alguém a querer mudar. O que normalmente acontece é que, conforme estes motivos vão ficando distantes a pessoa acaba se esquecendo deles e com isto perde a força para continuar a mudança. Este passo é muito importante porque é ele que vai motivar você quando as coisas ficarem difíceis ou sem sentido. Você vai retornar a esta página muitas vezes e se reencontrar com você mesmo e com os motivos que te levaram a começar este processo
15 Passos para o Emagrecimento Saudável
(Vicência Cheib)
A ideia dos “15 Passos para um Emagrecimento Saudável” surgiu a partir do meu programa diário na Rádio Itatiaia, das minhas inúmeras leituras e da minha experiência como Nutricionista e Professora de Nutrição.
Onde quer que eu esteja sempre aparece alguém com uma dúvida sobre o tema.
Todos prometem que não vão me incomodar; que serão rápidos; que a dúvida é simples. Na prática, as dúvidas são sempre complexas, muito complexas
Há uma fórmula para o emagrecimento? Você conhece uma fórmula para emagrecer? Existem produtos que auxiliam no emagrecimento? Estes produtos realmente funcionam? O que diferencia as pessoas magras das pessoas gordas no que diz respeito à alimentação e ao comportamento alimentar? Emagrecer pode ser duradouro? Pode ser sem sacrifício? Pode ser rápido? Posso te falar o que eu como e você me diz se está bom? Como aumentar músculos? Como perder apenas a gordura da parte inferior da barriga?
Ah se eu soubesse todas as respostas para estas perguntas “tão simples”....
Eu digo todas porque algumas eu sei.
Para cada uma destas perguntas há uma infinidade de fatores a serem combinados que podem resultar em inúmeras respostas.
Algumas delas eu já sei, outras estou aprendendo, outras jamais saberei.
Tomando como base o que já sei, pois sobre o que desconheço não posso falar, cheguei à conclusão (sempre parcial) de que alguns passos são imprescindíveis no processo de emagrecimento duradouro.
Divido aqui estes passos com os meus assíduos ouvintes e agora leitores.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Amante Contemporâneo
Vicência Cheib
Que os homens sempre tiveram amantes, não é novidade. Ancestralmente parece que os gajos são mais dispostos e corajosos no que diz respeito a variar a parceria.
A coisa funcionava mais ou menos assim, o felizardo tinha a esposa, com quem dividia os filhos registrados em cartório, as missas dominicais, as festas familiares, as doenças, as formaturas, a casa, os bens e de vez em quando, a cama. Não dividia jamais as contas, era o provedor.
Na rua tinha a “Teúda” com quem dividia os filhos não registrados, as queixas da “patroa” e principalmente, com freqüência e desempenho espetaculares, a cama. Com esta também não dividia as contas, era o provedor.
Muitas vezes a esposa sabia da existência da outra, mas, não se importava muito já que o digníssimo não deixava faltar nada em casa e ela ainda se livrava das sessões chatérrimas de acasalamento.
Estas relações duravam até a morte quando todos partiam felizes para o sempre.
Tenho observado, entretanto, um novo tipo de relação se estabelecendo ou já muito bem estabelecido.
Nestas, tudo continua, aparentemente, igual, mas, por trás da aparência semelhante surgem alguns detalhes que fazem toda a diferença.
O fofo que antes era provedor, agora é um duro, no mau sentido claro!
O duro, no bom sentido, está cada vez mais mole.
O masculino simplesmente entrou em crise!
No lugar de trabalhar, ganhar dinheiro, ter sua amante e ser o bom e velho, cada vez mais velho, provedor, ele resolveu malhar, estudar gastronomia, enologia, poesia, ter amantes e não pagar as contas.
Continuam não se separando, mas, não mais porque a esposa é a princesa digna e eterna e sim para não ter uma queda no nível socioeconômico!
Quando questionados sobre a situação, alegam que os filhos, coitados, não podem ficar sem o clube, o colégio particular, as aulas de inglês, balé, judô....
E a amante mudou também! Não é só um furor na cama, é independente, inteligente, bem tratada, bem vestida, tem seu próprio dinheiro que é suficiente, inclusive, para bancar viagens, jantares e presentes para o manso! Entretanto ela continua possuindo uma lacuna que só ele pode preencher: a carência afetiva. Com tantos vinhos, pratos elaborados, poesia e carinho ele pode perfeitamente ser um desprovido de atributos monetários. Afinal, dinheiro ela já tem e sexo, sim, sexo também, quando ele não está estressado com problemas dos filhos ou com uma nova receita francesa que não deu certo.